O que dizem os críticos

A cravista Rosana Lanzelotte consegue a façanha rara de mostrar um novo e consistente compositor português do século XVIII.
Luís Antônio Giron, Revista Diapason, março de 2006.

“Filho de um violinista genovês ao serviço do Rei D. João V, Pedro António Avondano nasceu e morreu em Lisboa e aprendeu com o pai o ofício de músico, tal como era comum acontecer no século XVIII. Tornou-se um instrumentista exímio e influente da Real Câmara, além de compositor e produtor de saraus e bailes. Rosana Lanzelotte, cravista brasileira, decidiu resgatá-lo à obscuridade e registar as suas Sonatas para tecla. Fê-lo com a entrega que os antiquários dedicam às peças antigas. Polidas, estilizadas, detalhadamente trabalhadas, estas seis obras podem ser ouvidas de seguida, tal é a sua concisão e luminosa elegância.”
Expresso, Jornal on-line português, sobre o CD Avondano

“As obras em si, típicas do gosto rococó e do estilo galante, com ocasional retórica expressiva, sobressaem precisamente pelos ´high spirits´ que cultivam, já que assim melhor salientam as qualidades do instrumento, quer no jogo cheio e poderoso, quer no mais suave, ligado e delicado; ou ainda na rapidez de execução e na profusão da ornamentação, traços todos eles bem ´puxados´ na interpretação de Lanzelotte.”
Bernardo Mariano, sobre o CD Avondano – Jornal Diário de Notícias (Lisboa, Portugal) – 24/6/2005

“Lanzelotte – que tem a virtude rara de tocar música contemporânea no instrumento antigo – faz do venerável Haydn, mais uma vez, um nome novo da nossa memória”
Arthur Nestrovski (Folha de São Paulo – SP) Leia na íntegra

“Álbum de Rosana Lanzelotte exibe riqueza melódica de Joseph Haydn – além da importância desta obra de Haydn, destaca-se a interpretação desta brilhante e versátil cravista”.
Irineu Guerrini Jr. (Revista Bravo – SP)

“A cada compasso de “As Sete Últimas Palavras de Nosso Redentor na Cruz” se sublinha porque Rosana Lanzelotte se inclui entre os maiores cravistas que o Brasil já produziu”.
Arnaldo Lorençato (Gazeta Mercantil – SP)

“Rosana Lanzelotte, a maior cravista brasileira, acaba de lançar em CD a versão para seu instrumento dos sete adágios compostos por Joseph Haydn”.
Roger Lerina (Zero Hora – Porto Alegre)

“A segurança e o tom firme não excluindo a graça, esta última apareceu como uma dominante nas interpretações em um programa diversificado e atraente.”
Georges Gallician (Le Méridional, Marselha)

“Rosana Lanzelotte é uma das maiores cravistas da atualidade. Seu trabalho transcende o paroquialismo da cena brasileira, pela técnica e pela expressão de suas abordagens.”
Luís Antônio Giron (Gazeta Mercantil, São Paulo)

“Rosana, aqui, brilha duas vezes: com a execução magistral e com a boa idéia que foi seduzir compositores modernos a escrever para o cravo. Um CD que já nasce antológico. ”
Luiz Paulo Horta (O Globo, Rio de Janeiro)

“Eis uma artista inteiramente afinada com os diferentes estilos dos compositores que aborda. Sua interpretação mostra completa confiança, distinção e técnica superlativa.”
Geoffrey Crankshaw (Musical Opinion, Londres)

“Em todos os compassos há a presença de uma artista de primeira ordem. Rosana Lanzelotte é dona absoluta do teclado e o faz cantar com enorme requinte”
J. Jota de Moraes (Jornal da Tarde, São Paulo) – Leia Mais