O que dizem os críticos

A cravista Rosana Lanzelotte consegue a façanha rara de mostrar um novo e consistente compositor português do século XVIII.
Luís Antônio Giron, Revista Diapason, março de 2006.

“Filho de um violinista genovês ao serviço do Rei D. João V, Pedro António Avondano nasceu e morreu em Lisboa e aprendeu com o pai o ofício de músico, tal como era comum acontecer no século XVIII. Tornou-se um instrumentista exímio e influente da Real Câmara, além de compositor e produtor de saraus e bailes. Rosana Lanzelotte, cravista brasileira, decidiu resgatá-lo à obscuridade e registar as suas Sonatas para tecla. Fê-lo com a entrega que os antiquários dedicam às peças antigas. Polidas, estilizadas, detalhadamente trabalhadas, estas seis obras podem ser ouvidas de seguida, tal é a sua concisão e luminosa elegância.”
Expresso, Jornal on-line português, sobre o CD Avondano

“As obras em si, típicas do gosto rococó e do estilo galante, com ocasional retórica expressiva, sobressaem precisamente pelos ´high spirits´ que cultivam, já que assim melhor salientam as qualidades do instrumento, quer no jogo cheio e poderoso, quer no mais suave, ligado e delicado; ou ainda na rapidez de execução e na profusão da ornamentação, traços todos eles bem ´puxados´ na interpretação de Lanzelotte.”
Bernardo Mariano, sobre o CD Avondano – Jornal Diário de Notícias (Lisboa, Portugal) – 24/6/2005

“Lanzelotte – que tem a virtude rara de tocar música contemporânea no instrumento antigo – faz do venerável Haydn, mais uma vez, um nome novo da nossa memória”
Arthur Nestrovski (Folha de São Paulo – SP) Leia na íntegra

“Álbum de Rosana Lanzelotte exibe riqueza melódica de Joseph Haydn – além da importância desta obra de Haydn, destaca-se a interpretação desta brilhante e versátil cravista”.
Irineu Guerrini Jr. (Revista Bravo – SP)

“A cada compasso de “As Sete Últimas Palavras de Nosso Redentor na Cruz” se sublinha porque Rosana Lanzelotte se inclui entre os maiores cravistas que o Brasil já produziu”.
Arnaldo Lorençato (Gazeta Mercantil – SP)

“Rosana Lanzelotte, a maior cravista brasileira, acaba de lançar em CD a versão para seu instrumento dos sete adágios compostos por Joseph Haydn”.
Roger Lerina (Zero Hora – Porto Alegre)

“A segurança e o tom firme não excluindo a graça, esta última apareceu como uma dominante nas interpretações em um programa diversificado e atraente.”
Georges Gallician (Le Méridional, Marselha)

“Rosana Lanzelotte é uma das maiores cravistas da atualidade. Seu trabalho transcende o paroquialismo da cena brasileira, pela técnica e pela expressão de suas abordagens.”
Luís Antônio Giron (Gazeta Mercantil, São Paulo)

“Rosana, aqui, brilha duas vezes: com a execução magistral e com a boa idéia que foi seduzir compositores modernos a escrever para o cravo. Um CD que já nasce antológico. trip distance
Luiz Paulo Horta (O Globo, Rio de Janeiro)

“Eis uma artista inteiramente afinada com os diferentes estilos dos compositores que aborda. Sua interpretação mostra completa confiança, distinção e técnica superlativa.”
Geoffrey Crankshaw (Musical Opinion, Londres)

“Em todos os compassos há a presença de uma artista de primeira ordem. Rosana Lanzelotte é dona absoluta do teclado e o faz cantar com enorme requinte”
J. Jota de Moraes (Jornal da Tarde, São Paulo) – Leia Mais